14.3.12

sintra, ao final da tarde




(imagem do castelo dos mouros, sintra)


"ao final da tarde,
as pedras morrem como
se fossem feitas de
história

o presépio o castelo as
árvores e os séculos todos
num lento adeus ao nevoeiro

a serra de sintra é o último
reduto de um combate inglório:
a poesia, perante o medo, tem
apenas a missão de escrever o
chão." (1)

Jorge Vicente



(1)VICENTE, Jorge - Ascensão do fogo. São Mamede de Infesta: Edium Editores, 2008. p. 33.

4 comentários:

FABIANA BORGIA disse...

Lindo: "a poesia, perante o medo, tem apenas a missão de escrever o chão."

jorge vicente disse...

E de escrever a terra. A terra boa e farta, da qual nós fazemos parte.

Ainda mais beijos oceânicos
Jorge

Francisco Coimbra disse...

Caro Jorge,
Com gosto sigo tua presença!
A_braços!!
Muita Poesia!!!

jorge vicente disse...

Muitos abraços, amigo!

Jorge