25.6.09

PoPoetry



(fotografia de max wisshak, retirada daqui)


7.

luz

luz: todo o poema que não nasce
mas que cai do interior dos
olhos em concha.

jorge vicente

8 comentários:

alexandraonelight disse...

... e faz-se pérola em essência. adorei, querido amigo!
beijocas,
Alexandra

Cássio Amaral disse...

Bela foto e o haikai também.

na luz
a alma
sempre reluz.

Um abração.

jorge vicente disse...

não é haikai, amigão. para ser haikai, precisa de ter certas regras e eu não segui. é pura e simplesmente um terceto.

grande abraço
jorge

Teresa David disse...

Mais umas palavras da qualidade a que nos habituaste. Gosto particularmente também do primeiro desenho da mulher desesperada.
Bjs
TD

Arabica disse...

Tudo muito belo e profundo, Jorge.

Uma fase de extase, talvez.

Quando a nossa voz, ecoa livre.

pin gente disse...

numa lágrima apenas
faço um poema
um verso sorrido,
um chorado.
um verso de amor
tão bem entoado.
um sentir de doer
um sentir de prazer
um sentir só de ser
um sentir de te ter
numa lágrima apenas
pode estar um viver!


abraço
luísa

jorge vicente disse...

e eu também te adoro, querida alexandra!!!!

muitos beijinhos
jorge

jorge vicente disse...

e será que é sempre livre, minha amiga? neste momento, não está a ser... xuif

um beijinho
jorge