16.5.09

PoPoetry



(pintura de ivor abrahams, "siren IV", s/d)


3.

song for missy


palavra-luz só quebra
quando da violação dos corpos
nascer o domingo claro
e a flor branca da areia

o único corpo que pode segurar
a vida é aquele que da imensidão
das rochas se moveu
- sémen de sons e partículas
elementares, rombo na pele,
deixa chorar quantu(m)
do mar se despede na entrega.

jorge vicente

4 comentários:

Arabica disse...

...o corpo sobrevivente ao vulcão.


Um beijo, Jorge, boa semana.

isaias de faria disse...

belo poema , continue postando seus poemas jorge. é sempre bom le-los

MEL disse...

Segurar a vida...
...hoje, agora e sempre!*

jorge vicente disse...

o vulcão... a lava... o corpo

um abraço imenso
jorge