26.9.09

amor próprio



(fotografia de cony theis, "einmal", 2006)


"O Mestre sabe que não interessa o que o outro está a ser, a fazer, a ter, a dizer, a querer, a exigir. Não interessa o que o outro está a pensar, a esperar, a planear. Só interessa aquilo que tu estás a ser em relação a isso.

A pessoa mais amorosa é a egocêntrica.

Isso é um ensinamento radical...

Não se o analisares cuidadosamente. Se não conseguires amar-te a ti mesmo não podes amar outra pessoa. Muita gente comete o erro de procurar o amor por si mesmo através do amor por outrem. Claro que não se apercebem de que estão a fazer isso. Não se trata de um acto consciente. É o que se passa na mente. Nas profundezas da mente. Naquilo a que vocês chamam o subconsciente. E pensam: «Se eu conseguir amar os outros, eles amar-me-ão. Tornar-me-ei assim uma pessoa amorável e, por isso, capaz de me amar a mim.»" (1)

neale donald walsch


(1) WALSCH, Neale Donald - Conversas com Deus. 14ª ed. Cascais: Sinais de Fogo, 2003. ISBN 972-8541-05-8. pg. 154, 155.

4 comentários:

Lisa Alves disse...

quando aprendemos a amar a nós mesmos, damos amor ao outro de uma forma consciente. O erro humano é anular-se por outro e isso soa patologico, destruidor e pseudo-amor.

Maeles Geisler disse...

a flor que nasce longe
do campo é feliz e linda
não aguarda
não espera
brilha.

jorge vicente disse...

quanta dureza e quanta verdade, lisa!!!

abraços de portugal!
jorge

jorge vicente disse...

brilha
reluz

[ É ]