25.3.08

o livre-arbítrio, segundo allan kardec



(fotografia de Bruce Gilden, "Homeless man lies in the middle of the street, tokyo", 1999)

"sem o livre-arbitrio, o homem não teria nem culpa por praticar o mal, nem mérito em praticar o bem. e isto a tal ponto está reconhecido que, no mundo, a censura ou o elogio são feitos à intenção, isto é, à vontade. ora, quem diz vontade diz liberdade. nenhuma desculpa poderá, portanto, o homem buscar, para os seus delitos, na sua organização física, sem abdicar da razão e da sua condição de ser humano, para se equiparar ao bruto." (1)

allan kardec



(1) KARDEC, Allan - O Livro dos Espíritos. 90ªed. Brasília: Federação Espírita Brasileira, 2007. ISBN 978-85-7328-086-9. p. 448.


e a que homens se equipararão os governantes chineses e do mundo? ao bruto? à formiga? ao princípe? all the souls are getting shorter. and the road to samsara broader. close to the ground. without homeland.

Jorge Vicente

1 comentário:

alice disse...

as almas cujo tamanho diminui deixam de ser almas, meu caro amigo. vi recentemente o filme "ratatoui" e percebi que há ratos maiores do que homens. um beijo.