27.1.08

Saber dizer não (Allan Kardec)




(fotografia de Samer Mohdad, "Hamam Moulay Yacoub Public Bath near Fez, Morocco", 1994)

"A lei natural traça para o homem o limite das suas necessidades. Se ele ultrapassar esse limite, é punido pelo sofrimento. Se o homem escutasse sempre a voz que lhe diz «basta», evitaria a maior parte dos males dos quais acusa a natureza" (1)

Allan Kardec

(1)KARDEC, Allan - O Livro dos Espíritos. 2ªed. Mem Martins: Livros de Vida, 2005. ISBN 972-760-108-1. p. 263.

Isto equivale, também, para as relações: às vezes, estamos numa relação que não dá resultado nenhum e não conseguimos dar o grito do Ipiranga. Se soubéssemos gritar e dizer esse tal basta, seríamos muito mais felizes. E a nossa vida muito mais agradável.

Jorge Vicente

5 comentários:

Charlie disse...

E é da nossa natureza contrariar a Natureza e fingirmos ser os Deuses que inventámos. Dizer "não" é coisa que não é do Homem. Chorar por novas e desnecessárias fronteiras, para que fuja de si mesmo e do não final que irremediavelmente acabará por ter de dizer.

alice disse...

grita, jorge! adoro ler-te e ouvir-te :) bom dia, amigo meu. um beijo.

jorge vicente disse...

O homem não deve contrariar a sua própria natureza. O problema é saber quais os limites que são naturais e quais os limites que existem para ser transcendidos.

Na arte, os limites existem para serem transpostos. No amor, também. Se ninguém os transpusesse, viveríamos todos dominados pelos tabus. No entanto, tudo isso está de acordo com as regras da Natureza.

Um abraço
Jorge

MARIA disse...

Olá Jorge,

Ia comentar o post e li o seu comentário anterior : fiquei sem palavras - quanta sabedoria de vida ...

Um beijinho amigo

Maria

Bandida disse...

tu abres todas as portas e assim tudo vale a pena!


beijo jorge!


B.


p.s.
abril? diz.me quando