10.2.10

crítica ao meu livro




"Se no primeiro livro, Ascensão do Fogo, o poeta Jorge Vicente escrevia de forma a que a pele dos poemas deixasse antever o ritmo da criação das palavras, o binário a quaternário, e a sua tatuagem em nós era sem dor apesar das impressões em profundidade que libertava na língua neste segundo livro, Hierofania dos Dedos, que é de desvendamento e de ocultação do poema, este é personagem inteiro da casa-poesia, oculto ou manifesto, orgânico. O mais que se pode dizer é que há um som de alaúde, redondo, que percorre este livro página a página em que «uma montanha é um corpo e uma mulher o vaso que alimenta as neves - o saber iniciático da mãe» (poema 18). O espaço de intervalo dos poemas é o caminho do poeta, por descobrir, e o nosso"

Cristina Veora

(in Público, dia 5 de Fevereiro de 2010, suplemento Ípsilon

6 comentários:

arabica disse...

E muito bem merecida, Jorge!

Também gostei muito.

Um beijo, bom domingo!

alice disse...

bela crítica, jorge! parabéns!

eli disse...

Desconheço o 1º livro, quanto a este, Hierofania dos Dedos, que mão amiga me fez chegar, subscrevo a belíssima imagem há um som de alaúde,[...].

Obrigada.

jorge vicente disse...

há um som de dedos
e de sentidos
sempre. aqui.

obrigado, eli.

um grande abraço
jorge vicente

pin gente disse...

muitos parabéns, jorge!
fico feliz
um beijo
luísa

jorge vicente disse...

muito obrigado, Amiga.

Um beijinho
Jorge