10.2.09

in nomine



(pintura de paul césar helleu, "ellen et sa tante", 1887)

o poema: a apoteose do encontro
o assumir das palavras brancas
na teurgia que procede ao corpo.

tudo existe
tudo é
na sílaba dos dedos.

jorge vicente

5 comentários:

isaias de faria disse...

jorge, sua poesia é de grande importancia e resplandecimento estético. voltarei p ver mais com certeza. muita força a ti.

alexandraonelight disse...

querido amigo, esta tua série é maravilhosa. só tu consegues este fenómeno extraordinário... criar poesia que (eis o fenómeno) transcende as palavras; como se ela, a poesia, fosse um ser vivo... táctil... sensorial. e é.
grande beijoca,
Alexandra

anareis disse...

Estou fazendo uma campanha de doações para criar uma minibiblioteca comunitaria na minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,preciso da ajuda de todos.Doações no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Que DEUS abençõe todos nos.Meu e-mail asilvareis10@gmail.com

jorge vicente disse...

muito obrigado, isaías.

espero que ela sempre resplandeça!!

um grande abraço
jorge

jorge vicente disse...

e a poesia, cara amiga, é sempre um ser táctil, um ser vivo. um ser de pele. sempre!

um grande beijinho para os lados de famalicão
jorge