18.1.09

o fim do livro?



(exemplos de varios incunabula, retirados daqui).


"Landow (1996) writes, «We find ourselves, for the first time in centuries, able to see the book as unnatural, as a near-miraculous technological innovation and not as something intrinsically and inevitably human« (p.25). For hundreds of years, the book and the printed word had been taken for granted as part and parcel of our social and sociological worlds. In recent memory, our society had never known anything other than a book - and paper-influenced experience, so there was no reason, and, possibly, little critical means, for viewing the book as something fundamentally innovative and «other». With the advent of the networked computer, however, the biases and the specificity of the medium of paper are thrown into relief. This is so because the networked computer, like the book, contains built-in
assumptions and biases that influence the scholarly activities we can carry out (...)" (1)

valerie l. worthington e yong zhao


(1) WORTHINGTON, Valerie L. e YONG, Zhao - Does Your Duck Quack? Demonstrating Scholarly Savvy in the Age of the Networked Computer. [Em Linha]. [Consult. 18 Jan. 2009]. Disponível em: https://www.msu.edu/~worthi14/duck.html


este texto de valerie l. worthington e yong zhao dá que pensar na medida em que o livro impresso, tal qual o conhecemos, é relativamente recente na história da humanidade. desenvolvida por gutenberg, a técnica da impressão em caracteres móveis apenas foi desenvolvida no século XVI, depois de um longo período onde predominaram os códices em pergaminho. assiste-se, por isso, agora, a uma nova revolução: o livro virtual, a internet, as novas tecnologias.

6 comentários:

alexandraonelight disse...

para mim, uma perspectiva inquietante, querido amigo. sem desprimor para as novas tecnologias e os livros (ou leituras) virtuais, ainda assim não há nada como o prazer de ter, nas mãos, o livro - e lê-lo, também, pelo tacto, pelo cheiro.
um beijinho,
Alexandra

Mª Dolores Marques disse...

Recebi o Prémio Dardos da minha amiga Vony Ferreira, que me brindou com mais uma momento de amizade. ObrigadaVony por te lembrares de mim
http://vony-ferreira.blogspot.com/
"Com o Prémio Dardos reconhecem-se os valores que cada blogger, emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os bloggers, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web”.Este Prêmio obedece a algumas regras:
1) Exibir a imagem do selo;
2) Linkar o blog pelo qual se recebeu a indicação;
3) Escolher outros blogs a quem entregar o Prêmio Dardos.
Assim sendo , repasso o Prêmio Dardos para os blogs abaixo, pelo valor que lhes reconheço

http://jorgevicente.blogspot.com/
http://aultimafrase.blogspot.com/
http://olhamenoluar.blogspot.com/

Mª Dolores Marques disse...

Recebi o Prémio Dardos da minha amiga Vony Ferreira, que me brindou com mais uma momento de amizade. ObrigadaVony por te lembrares de mim
http://vony-ferreira.blogspot.com/
"Com o Prémio Dardos reconhecem-se os valores que cada blogger, emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc., que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os bloggers, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web”.Este Prêmio obedece a algumas regras:
1) Exibir a imagem do selo;
2) Linkar o blog pelo qual se recebeu a indicação;
3) Escolher outros blogs a quem entregar o Prêmio Dardos.
Assim sendo , repasso o Prêmio Dardos para os blogs abaixo, pelo valor que lhes reconheço

http://jorgevicente.blogspot.com/
http://aultimafrase.blogspot.com/
http://olhamenoluar.blogspot.com/

jorge vicente disse...

eu também tenho o mesmo problema, amiga. o cheiro dos livros, o toque do papel, o brilho das letras. tenho dificuldade em imaginar um mundo sem livros.

no entanto, já há muitos autores que falam disso. espero que não...

um grande beijinho
jorge

Arabica disse...

Jorge,


ia referir exactamente isso: um livro de papel que nos acompanha, se molda ao nosso braço à nossa mão, ao nosso tempo, aos curtos espaços que por vezes temos...não consegue ser substítuido por um virtual :)

Que fiquem ambos como instrumentos preciosos, não só de trabalho, mas principalmente de alegria e prazer, busca e aprendizagem!


Um beijinho

Ruela disse...

Ainda prefiro o papel.



Abraço.