6.11.08

a noite abrir-nos-à



(quadro de pierre roussel, "olivier à la lampe rouge", 1963)

3.

as palavras são vertigens de noite
encontradas no meio da rua -
tropeçam, deixam cair, doem,
amanhecem com a dor dos homens
e das plantas que crescem nos
telhados.

no telhado, não se ouve o chão, é talvez preciso deitarmo-nos, arrastarmos os olhos e ouvirmos. não se ouve com o corpo, ouve-se com os olhos e com o sexo. as palavras escorrem, fazem birras, deitam-se connosco. morrem de enfarte e olham as nuvens que se estreitam entre os alvéolos da atmosfera e as cordilheiras do chão.

só assim será possível a liberdade.

jorge vicente

2 comentários:

A Mesa de Luz disse...

gostei muito !!! beijo
Ana

Bandida disse...

magnífico!!!!!!!!!





bbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb