14.11.08

a arte de roubar ou a arte de escrever inglês em linhas portuguesas



(soraia chaves em a arte de roubar, de leonel vieira)


não sei o que passou pela cabeça de leonel vieira quando decidiu filmar a arte de roubar totalmente em inglês. a resposta mais imediata seria: internacionalizar o filme, tornar o filme vendável, apelativo ao mercado internacional. no entanto, perguntamo-nos: será essa decisão uma decisão acertada? na minha opinião, não porque um filme que é rodado em portugal, com actores portugueses, com personagens portuguesas, com situações portuguesas, com os táxis portugueses, até com cantores pimbas portugueses (e esses são os únicos que falam - "cantam" a nossa língua!!) seria muito mais lógico filmar em português. e não me venham com a história de que grupos como os gift, silence 4, fingertips fazem a mesmíssima coisa porque não fazem: uma canção, apesar de toda a sua envolvente de comunicação, é, tal como o poema, essencialmente, um acto solitário. o compositor, tal como o poeta, cria a sua obra de arte sozinho, sem o apoio de todo um conjunto de personagens que o acompanham. o poema e a canção é uma espécie de monólogo que se compartilha. todos temos a liberdade de escrever na língua que quisermos.

no cinema, é bem diferente. o que está perante o ecrã são, no fundo, situações reais ou que mimetizam o real. personagens interagem entre si como se estivessem à nossa frente, vivem, morrem, olham-nos nos olhos, nós olhamo-nas, vivemo-las. para ser o caso da música, os cantores teriam de se dirigir ao seu público em português o que, a acontecer, seria uma afronta tamanha para o público. e é esse o problema deste filme e, também, de todos os outros filmes que, para ganhar audiência, fogem da sua língua original para adoptar a língua estrangeira. e para quê? ganhar o mercado internacional. e apenas isso. se leonel vieira decidisse apresentar o filme em português apenas para o mercado local (o nosso) e em inglês para o resto do mundo, seria muito melhor, mas assim....

e perguntam-me: estás sempre a falar da língua. e do filme, não se fala? eu falo: soraia chaves está deslumbrante (prefiro-a mais discreta, onde se nota pouco), nicolau breyner é excelente como sempre, ivo canelas está excelente. só é pena que o filme seja uma espécie de cópia portuguesa de quentin tarantino. isso para além do que já disse antes.

jorge vicente

p.s.
se querem ver um filme onde se joga bem com as duas línguas: português e inglês, vejam The Lovebirds de Bruno Almeida, maravilhoso!

3 comentários:

A Mesa de Luz disse...

Esse é bom, é verdade, este não sei, mas viste por mim :))
beijos Ana

WolfHeart disse...

Subscrevo em absoluto...

(e a maior parte das letras que escrevo são em inglês... )

Cumprimentos

O lobacho

Bandida disse...

vou ver. The Lovebirds.


beijo