21.4.08

in nomine



(fotografia de mark klett, "one hour in my birdbath", 2004)

1.

diz o mestre ao discípulo:
reune a cor na sua expressão
máxima e juntai-a de luz branca

só assim as aves serão
mais do que pontos negros
na copa dos dedos

2.

as crianças fogem. e do seu
cálice retomará o espírito
a sua longa caminhada

3.

fácil é a palavra que se
incendeia quando dita;
difícil o poema que dança
no colo de um vulcão

jorge vicente

2 comentários:

Paula Raposo disse...

Estou a gostar de te ler. Não te conhecia.

alice disse...

no colo do vulcão é que tu habitas, querido jorge. gosto muito de ti e da tua poesia. um grande beijinho amigo e poético *