31.3.08

midnight movies: from the margin to the mainstream (stuat samuels)



(imagem de el topo)

durante mais ou menos dez anos, as sessões da meia-noite nos estados unidos foram o palco de uma imensa actividade cultural. durante esse período de tempo, foram exibidas no grande ecrã produções cinematográficas que alteraram o modo como entendemos o cinema. as produções eram, na maior parte das vezes, alternativas, o segundo mundo de hollywood - aquilo que está por trás e que influencia o trabalho de todos aqueles que pensam estar à frente.

foi nesse palco cultural que surgiram filmes como el topo, de alejandro jodorowski, pink flamingos, do enfant terrible john waters, night of the living dead, do mestre george romero, the harder they come, do realizador jamaicano perry henzell, rocky horror picture show e eraserhead, do grande david lynch. esses os filmes mais influentes, ou pelo menos, aqueles que stuart samuels estipulou como sendo os mais influentes saídos das midnight sessions. a maior parte destes filmes não foram pensados como sendo filmes noctívagos, para serem passados em sessões da meia-noite, mas as regras do mercado cedo impuseram que tais filmes deveriam ter esse horário o que levou a milhares de jovens americanos a invadirem as salas de cinema alternativas. as sessões da meia-noite eram sinónimo de inovação e ousadia estética; ou então, sinónimo de insurreição e rebeldia, como se pode verificar através de pink flamingos, um clássico do cinema de mau-gosto, tão do agrado dos amadores de cinema alternativo.

com o advento do vídeo, tais sessões perderam o significado. aquilo que era um encontro de partilha de um filme podia ser feito no interior da nossa casa. também foi uma revolução: tornou o cinema mais pessoal, mas retirou o carácter social que certos filmes indirectamente tinham. e o carácter ousado dessas produções foram-se tornando cada vez mais mainstream: o que, nos anos 70, iria ser relegado para as sessões da meia-noite, era agora aclamado pelos media: quentin tarantino e o seu kill bill, as rudezas de american pie, as modernas comédias americanas, com um longo historial de estupidez e mau-gosto. contudo, aquilo que afasta a maior parte dos filmes do nosso tempo (pelo menos, aqueles que poderiam ter sido um clássico alternativo) dos antigos é o talento: tirando algumas excepções como tarantino, a maior parte dos realizadores que vieram depois nunca conseguiram chegar aos calcanhares dos mestres de outros tempos.

jorge vicente



(imagens de eraserhead, retiradas do documentário midnight movies)

2 comentários:

Maria disse...

Olá Jorge,
Muito interessante. É cada vez mais fascinante espreitar este espaço.

Um beijinho amigo

Maria

A Mesa de Luz disse...

JOrge, adorei ler. Beijinhos,
Ana