9.12.07

Óbidos Vila Natal



(uma das árvores de Natal, na rua das Árvores, em Óbidos. Fotografia de Ana Freire)

Óbidos é uma das mais belas vilas do nosso país, a chamada "vila-presépio" na medida em que parece um autêntico presépio, encimado por um castelo altaneiro e bem-disposto. A vila é bela todo o ano, mas no Natal ganha um sabor especial, feita dos sonhos e do espírito natalício de centenas de pessoas que decidiram organizar, no ano passado, o primeiro "Óbidos Vila Natal". Esta festa regressou este ano e é digna das mais belas aldeias de encantar das histórias de princesas. Lá, podemos encontrar o mui querido Pai Natal, as suas renas magníficas, os ursinhos, os duendes e gnomos que trabalham arduamente para divertir as crianças que passam pela vila mágica, os diabretes, os pinguins, os esquimós, os doces de gengibre que ganham vida própria e passeiam no meio das crianças, o carrossel mágico, os póneis, as pistas de gelo e, por todo o lado, as músicas que nos ensinam a amar o Natal e a sermos crianças todo o ano.



(mais uma árvore, fotografada por Ana Freire)

Foi a esse sítio magnífico que decidi passar a tarde, eu e mais alguns amigos. Combinámos em Lisboa por volta das 13.30 e partimos para a aventura, sabedores (ou não) das maravilhas que íamos encontrar. Eu não estava à espera de nada. Não sabia se iria ser belo ou não, se iria ganhar aquele estatuto de magia que as autênticas aldeias da fantasia têm. Por essa razão, foi muito especial para mim. Quando chegámos, deparámo-nos logo com muitas árvores de Natal, construídas por escolas, restaurantes, cafés, organizações, instituições e que estavam distribuídas ao longo de uma rua que iria dar às bilheteiras. Foi tão bonito e presto aqui homenagem a todas as pessoas que ajudaram a construír aquelas verdadeiras preciosidades. Acho que o Natal é mesmo isso, darmos o melhor de nós a todas as pessoas, mesmo que não resulte da forma mais convencional. Afinal de contas, uma árvore é mais do que uma árvore.



(ainda outra árvore, por Ana Freire)

Depois, partimos para o castelo, sem antes tomarmos uma ginginha num dos cafés de Óbidos e espreitarmos as imensas lojinhas que estão espalhadas ao longo da Rua Direita. Partimos para o Castelo, então, e iniciou-se a descoberta. Entrámos num reino mágico e só nos apetecia que esse reino não tivesse fim, que os duendes e os diabretes fossem bem reais e que os nossos pedidos fossem todos atendidos até ao dia 24 deste mês, mesmo que esse pedido seja apenas um pedido de fantasia. Mas, nada é de fantasia. As renas existem, o Pai Natal existe, os duendes existem. Os nossos pedidos serão atendidos, o que é preciso é criarmos o Nosso Natal todos os dias e pedirmos apenas aqueles pedidos que o nosso coração mandar.



(os bonecos de neve, por Ana Freire)

O site do Óbidos Vila Natal aqui.
<

(a rua do Pai Natal, por Ana Freire)

Jorge Vicente

4 comentários:

alice disse...

acreditas que me convidaram a passar este fim de semana em óbidos e não fui??? :( beijinhos.

mnemosyne disse...

Tive a oportunidade de conhecer...guardo todos os momentos
E a ginginha...ahhh essa...

:)

Ana disse...

oi lindo!

Enviei-te as fotos que tirei lá.Pena q a máquina amuou (ficou sem bateria). Mas força escolhe uma e mete-a aqui no blog :-)

Adoro a tua escrita

Francisco Sobreira disse...

Jorge,
Festas assim nos fazem sentir crianças outra vez. Agora, você sabe que, no meu país, também existe uma cidade chamada Óbidos? Fica no Estado do Pará, na região norte. Abraços.