3.6.07

In Nomine




(fotografia de Florence Henri, "Jeanne Lanvin Perfume", 1929)


1.
os homens são donos do tempo breve, da eternidade que vibra como promessa de pegada

tudo o resto são as rochas. e a areia. e o movimento de dois amantes que ouvi amar quando fogo

e terra

e espuma

e todas as palavras que escrevi


no limiar da ábside


negra

Jorge Vicente


P.S. Estes poemas são uma espécie de exercício poético onde tento não constranger as palavras. Se soar bem, óptimo. Se não, não importa.

7 comentários:

Conceição Bernardino disse...

Acessem este link... poderá para alguns ser repetido, mas a beleza, nunca o é.

O video é lindo demais!!!!

http://dulcepontes.net/downloads/stats.php?id=238

Graça Pires disse...

As palavras à solta soam sempre bem, principalmente para "os homens donos do tempo breve e da eternidade...". Um abraço

Zé Ninguém disse...

Preferimos Esquerdalhas ou Faschizoides ?

Bata em Mao!

http://absolutamenteninguem.blogspot.com

alice disse...

a mim soa-me muito bem. adorei ver-te no sábado, amigo jorge. oxalá volte a acontecer em breve. beijo *

Bandida disse...

espera. vou acender um cigarro. sentar-me à beira de mim e abraçar o tempo.

Anónimo disse...

OLÁ! As tuas palavras soam muito bem. Bjs Sofia_sama

Manuel disse...

«O que amei um dia, tenha-o ou não guardado, amarei sempre.»
André Breton